Conheça evolução das top motos esportivas da Honda

Anúncios

Conheça evolução das motos esportivas da Honda. Se a Honda tivesse sido construída com a premissa de fornecer transporte acessível para todos, uma necessidade após a devastação da Segunda Guerra Mundial.

Eles teriam percebido rapidamente que o desempenho era tão atraente quanto a praticidade.

Gradualmente, ao longo da década de 1960, as motocicletas Honda foram capazes de igualar as rivais europeias em desempenho com motores menores, até que a CB750, um sucesso de público, apareceu e mudou o livro para sempre.

Nas décadas de 1970 e 80, a Honda explorou ainda mais o tema das motos esportivas até lançar outro sucesso de bilheteria.

CBR900RR FireBlade, que acrescentou leveza e compacidade à potência e redefiniu as motos esportivas mais uma vez.

Se a empresa chegou a um beco sem saída com o Oval Piston NR.

Também mostrou a profundidade das capacidades de engenharia que a empresa possuía e a colocou no caminho para a glória das corridas que ainda está em exibição hoje.

10 Honda CB77 Super Hawk – 1961

Apenas três anos depois que a Honda deu seus primeiros passos com o Super Cub, veja o quão longe a empresa chegou.

Extremamente importante não só na história da Honda, mas também na história das motocicletas.

Era inovador (quadro de tubo de aço em vez do casco de aço prensado do Super Cub, garfos telescópicos, motor usado como membro tenso do quadro).

Motor bicilíndrico paralelo de 305cc produzindo 28hp, entregando uma velocidade máxima de 160km/h, confiabilidade quase perfeita.

É chamada a primeira motocicleta japonesa moderna, tem partida elétrica, funciona bem, não vaza óleo, a parte elétrica funciona bem!

Elvis montou um no filme Roustabout, e Robert M Pirsig montou um em uma viagem de dois meses.

9 Honda CB750 – 1969

A indústria britânica de motocicletas ganhou destaque na década de 1960, ignorando a ameaça da indústria japonesa de motocicletas.

Para ser justo, os britânicos achavam que os japoneses ficariam com as motos menores.

Deixando as maiores para marcas como Triumph, Norton e BSA, sem falar na Harley-Davidson nos EUA.

Até que a Honda lançou o CB750, um quatro em linha suave, poderoso, confiável e sem vazamentos. Ele ainda tem partida elétrica e freios a disco dianteiros.

Veja Também:

Se os britânicos eram complacentes antes, perceberam mais tarde que estavam simplesmente ficando para trás e não podiam mais desfrutar da supremacia de que desfrutavam.

Em termos de história das motocicletas desde a década de 1970, nenhuma motocicleta foi mais importante do que a CB750.

8 Honda CBX1000 – 1978

Se a Honda abandonar os motores de seis cilindros para competir, a empresa certamente não os esquecerá.

Em 1978, introduziu o CBX1000, um motor DOHC de 24 válvulas montado em uma estrutura convencional com garfos telescópicos e amortecedores traseiros duplos.

Embora o motor montado transversalmente pareça muito largo, na verdade é apenas duas polegadas mais largo que o motor de quatro cilindros do CB750.

Comparando a CBX com a CB900F, o famoso jornalista LJK Setright disse:

“A CBX é melhor, o desempenho é melhor, a diferença é maior que a diferença de preço, então quanto mais cara a moto, melhor o negócio.

O motor CBX é muito responsivo como piloto, o melhor motor de moto de todos os tempos.

7 Honda CB1100R – 1980-1983

A primeira certificação especial da Honda.

Baseado no CB900F, o CB1100R (o “R” significa carro de corrida) é um modelo totalmente aerodinâmico legalizado em números suficientes para se qualificar como um carro de produção para carros de corrida de produção na Europa, África do Sul, Austrália e Nova Zelândia.

Foram feitas três versões – a B, C e D – e diferiam tanto nas seções da carenagem que as peças da carenagem não eram intercambiáveis ​​entre as três versões.

O quatro em linha produzia 115 cavalos de potência, o que era um número muito bom para a época, embora com 518 libras fosse um pouco gordo.

Mesmo que não tenha nenhum dos materiais exóticos que marcam os Certified Specials de hoje, ainda é um grande trampolim no caminho para a Immortal Burning Blade.

6 Honda CBR600F – 1987

Antes do FireBlade interromper o desempenho no início dos anos 1990, a Honda se juntou à Kawasaki e à Yamaha na arena de novos motores refrigerados a líquido para substituir os modelos mais antigos refrigerados a ar.

A ideia de tornar a FireBlade um sucesso tão grande já estava germinada, e a CBR600F se concentra no peso leve.

Com 85 cavalos de potência, uma estrutura de aço leve e carenagem totalmente fechada, a moto pesa 396 libras.

Na estrada, parece que foi projetado a partir do volante e tem uma sensação visceral incomparável com outras motos esportivas.

O melhor de tudo é que é fácil de pilotar na estrada e muito divertido de filmar na pista.

5 Honda RC30 – 1987-1990

Nunca diga que a corrida da Honda não é fácil. A VFR750R, também conhecida como RC30.

Mas outro modelo especial construído especificamente para competir no Campeonato Mundial de Superbike (e, claro, em outros campeonatos nacionais de Superbike ao redor do mundo, usando a mesma fórmula).

O motor V4 produz 118 cavalos de potência no acabamento legal para estrada e faz uso extensivo de titânio ultraleve exótico no motor, independentemente do custo.

Por exemplo, cada link pesa 1,8 onças. Menos que o aço, mas oito vezes mais caro! Tudo é baseado em corrida, incluindo rodas dianteiras de liberação rápida e pastilhas de freio

Braço oscilante de um lado, suspensão Showa totalmente ajustável, assento único, escapamento de aço inoxidável feito à mão e carroceria de fibra de vidro.

4 Honda NR – 1992

Ausente das corridas de MotoGP ao longo da década de 1970, a Honda estava determinada a voltar às corridas, já que a tecnologia dominante do motor de dois tempos era considerada inconsistente com suas motos de estrada que usavam exclusivamente a tecnologia de quatro tempos.

Em seus próprios termos no final dos anos 1970. Na época, os regulamentos limitavam os motores de 500 cc a um máximo de quatro câmaras de combustão.

A filosofia da Honda sempre foi entregar mais potência através de mais cilindros, então os engenheiros criaram um motor V8 com apenas quatro câmaras de combustão.

Para fazer isso, eles construíram um motor com quatro grandes cilindros ovais, cada um contendo duas velas de ignição, quatro válvulas de escape e quatro válvulas de admissão.

Na letra da lei, ainda existem apenas quatro câmaras de combustão. Cada pistão tem quatro bielas, para um total de 32 válvulas.

3 Honda CBR900RR FireBlade – 1992

Na década de 1990, 1000cc+ era a cilindrada padrão para motos esportivas.

O único problema é que são pesados, o que atrapalha o desempenho e o manuseio.

A Honda deu uma olhada mais de perto e surgiu com a CBR900RR FireBlade. De uma só vez, ele reescreveu as regras da moto esportiva.

Embora o motor desloque “apenas” 893 cc, é significativamente mais leve que seus concorrentes, e a estrutura de alumínio de duas longarinas fornece um novo nível de rigidez que permite que a suspensão funcione com mais eficiência.

Esses dois atributos permitiram que o FireBlade superasse os rivais, e não demorou muito para que os concorrentes começassem a copiar o design líder da Honda.

Mais uma vez, a Honda estabeleceu o paradigma para as motos esportivas, e permanece até hoje.

2 Honda CBR1100XX Super Blackbird – 1996

Busque velocidade com velocidade! Nos anos 90, a Kawasaki conquistou de ser moto de produção mais veloz com a Ninja ZX11.

A Honda estava determinada a tirar o título da Kawasaki e vencer a batalha publicitária.

O nome da nova moto faz referência à aeronave mais rápida do mundo, o jato Lockheed SR-71.

Quando testado pela revista Sport Rider, o Super Blackbird atingiu uma velocidade máxima de 178,5 mph, cerca de 3 mph mais rápido que o Kawasaki.
A chegada do Super Blackbird desafiou a Kawasaki, trouxe a Suzuki para a corrida e produziu a Hayabusa, que conquistou o título de velocidade máxima com velocidade máxima de 300 km/h.

O nome Hayabusa se traduz em falcão peregrino, uma ave de rapina que caça melros!

O aumento na velocidade assustou os fabricantes, que temiam que os legisladores europeus proibissem essas motos de alto desempenho, então eles fizeram um acordo de cavalheiros.

1 Honda RC213V-S – 2015

A RC213V-S é essencialmente uma moto de MotoGP com luzes, e é a coisa mais próxima que a maioria de nós chegará de uma moto de MotoGP se você experimentar por si mesmo.

Lançada em 2015, é a moto esportiva definitiva, extremamente leve (374 libras) e construída com componentes de primeira linha.

Na estrada, o V4 de 90° gera 159 cavalos de potência, mas há um pacote esportivo opcional que aumenta a potência para 215 cavalos.

O kit esportivo inclui uma ECU revisada, dutos dianteiros, escapamento revisado, diferentes velas de ignição, câmbio rápido, registrador de dados, termostato de refrigeração e até mesmo uma capa de motocicleta personalizada.

Se você tem que perguntar quanto custa um agora, então você não pode pagar.

Mas mostra que, por trás da imagem corporativa, a Honda ainda tem paixão por criar as melhores motocicletas possíveis.

 

 

POPULARES